Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > InforMMA > Os perigos da telinha
Início do conteúdo da página

Notícias

Os perigos da telinha

Publicado: Quinta, 06 Junho 2013 18:06 Última modificação: Segunda, 10 Junho 2013 16:29
Crédito: Martim Garcia/MMA Laís Fontinelli, da Alana: crianças merecem cuidado especial Laís Fontinelli, da Alana: crianças merecem cuidado especial
No Brasil, as crianças ficam, em média, cinco horas diárias em frente à TV. E são bombardeadas por propagandas que fazem mal à saúde.

LUCAS TOLENTINO

A necessidade de frear o consumismo infantil foi o tema da última oficina da programação da Semana do Meio Ambiente, na tarde desta quinta-feira (06/06), no Rio de Janeiro. Organizado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), em parceria com o Instituto Alana, o encontro teve o objetivo de debater os problemas e as formas de promover o consumo sustentável e consciente entre as crianças, além de apresentar a cartilha sobre o tema (clique aqui para ler a cartilha).

A publicidade é um dos principais agravantes do processo. No Brasil, meninos e meninas passam cerca de cinco horas diárias em frente à televisão, uma das maiores médias do mundo. E os comerciais estão diretamente ligados, por exemplo, ao aumento do contingente de crianças acima do peso. Hoje, 15% da população infantil do país estão obesos, índice associado ao consumo excessivo de alimentos industrializados divulgados em larga escala nas propagandas.

A secretária de Articulação Institucional e Cidadania do MMA, Mariana Meirelles, destacou a parceria com o Instituto Alana e a importância do público infantil na implantação do Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis, conjunto de medidas lançado, em novembro de 2011, pelo MMA. "Trabalhar um novo padrão de consumo para as crianças é estruturante para o sucesso das iniciativas", afirmou.

Além da publicidade, a presença de personagens famosos e as próprias embalagens figuram como os principais fatores que influenciam o consumo de produtos infantis. A psicóloga Laís Fontinelli, do Instituto Alana, defendeu a participação de diversos setores da sociedade no combate ao consumismo infantil. "O mercado tem que ter olhar cuidadoso para a criança", exemplificou.
Segundo ela, a família, o terceiro setor, o governo e as escolas também têm de fazer sua parte. "A gente não tem consumido de forma sustentável. Existe a publicidade, mas há também todo um contexto que convida a criança a entrar nesse mundo", alertou Laís. "É preciso equacionar essa relação."

SAIBA MAIS

Veja os maiores prejuízos causados pelo consumismo infantil:

- Aumento exarcebado do consumo

- Aumento da geração de resíduos

- Obesidade infantil

- Adultização da infância e erotização precoce

- Consumo precoce de álcool e tabaco

- Diminuição das brincadeiras criativas

- Violência

- Estresse familiar

Fim do conteúdo da página