Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > InforMMA > Mais Notícias > Brasil discute em Praga administração da Antártica
Início do conteúdo da página

Notícias

Brasil discute em Praga administração da Antártica

Delegação brasileira, representada, entre outros, pelo MMA, apresenta, junto com parceiros, proposta de plano de manejo da área especialmente gerenciada, onde fica a estação Comandante Ferraz
Publicado: Terça, 09 Julho 2019 17:45 Última modificação: Quinta, 22 Agosto 2019 18:46
Crédito: Alexandre Mendonça Pinguins na Antártica: Brasil coordenará área gerenciada por cinco anos Pinguins na Antártica: Brasil coordenará área gerenciada por cinco anos
Brasília – Desde o dia 1º, ocorre em Praga, República Tcheca, a XXII Reunião do Comitê de Proteção Ambiental (CEP) e a XLII Reunião Consultiva do Tratado da Antártica (ATCM). Os eventos contam com a participação do Brasil, representando, entre outros, pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA).

Até o final dos encontros, que termina na próxima quInta-feira (11), o Brasil, Equador, Peru, Polônia e EUA apresentarão um documento informativo conjunto sobre a atualização do Plano de Manejo da Área Antártica Especialmente Gerenciada (ASMA 01), que abrange a Baía do Almirantado, onde se localiza a estação antártica brasileira Comandante Ferraz (EACF).

Após a XLII ATCM, o Brasil passará a coordenar a ASMA 01 por um período de 5 anos e será o responsável pela atualização do Plano de Manejo, que contará com a participação dos outros países que possuem estações ou refúgios na região.

A Baía do Almirantado é uma magnífica paisagem montanhosa glacial com valores ambientais, históricos, científicos e estéticos excepcionais (colônias de reprodução de pássaros e mamíferos, características geológicas variadas, comunidades de plantas terrestres, diversos ecossistemas marinhos, relíquias da época de caçadores e baleeiros e outras lembranças históricas), além de ser campo de diversos projetos de pesquisa e monitoramento ambiental de longo prazo.

ATIVIDADES

A baía tornou-se um local de atividades humanas cada vez mais diversificadas, como a instalação de estações, refúgios, acampamentos, rota de navios, helicópteros e uso de sistemas de aeronaves remotamente pilotadas (RPAS), bem como um número crescente de cientistas, programas científicos e de monitoramento, instalações e equipamentos científicos em atividades de campo e turismo.

A coordenação e o planejamento minuciosos das atividades existentes e futuras ajudaram a evitar ou reduzir o risco de interferência mútua e a minimizar os impactos ambientais, proporcionando assim um mecanismo efetivo para a conservação dos recursos valiosos que caracterizam a área.

A Baía do Almirantado foi adotada como Área Antártica Especialmente Gerenciada (ASMA Nº 1) de forma voluntária na ATCM XXIX em 2006 (Medida 2). O Plano de Gestão da Área foi elaborado em conjunto pelo Brasil, Equador, Peru, Polônia e EUA. A sua última revisão foi adotada na Medida 14 (2014), durante a ATCM XXXVII.

PAÍSES

O Grupo de Gestão da ASMA 1 é composto por representantes das cinco partes que possuem programas de pesquisa na área: Brasil, Equador, Peru, Polônia e EUA. A Polônia e o Brasil operam estações todo o ano (Estação Henryk Arctowski, em Thomas Point, e Estação Antártica Comandante Ferraz, na Península de Keller, respectivamente).

O Peru cuida da estação de verão (Machu Picchu, em Crepin Point) e os Estados Unidos são responsáveis por um acampamento de campo de verão (Copacabana, em Llano Point). Já o Equador mantém o refúgio Republica del Ecuador, em Hennequin Point. Existem várias pequenas instalações removíveis e permanentes em outros lugares.

O local inclui a Área Antártica Especialmente Protegida (ASPA, nº 128 da costa ocidental da Baía do Almirantado) e um monumento histórico (HSM nº 51: sepultura de Henry Arctowski) na estação Polonesa.

REVISÃO

Representantes dos países do Grupo de Gestão da ASMA 1 reuniram-se paralelamente durante a ATCM XLI - CEP XXI, em 2018, e concordaram em iniciar a revisão do Plano de Manejo em 2019, bem como preparar um documento informativo conjunto a ser submetido à XXII Reunião do CEP, que ocorre agora, iniciando a revisão e fornecendo um breve resumo do processo de revisão planejada. A Coordenação da ASMA 1 será assumida pelo Brasil. Para isso, foi criado um fórum de discussão para o Grupo de Gestão no site do Secretariado do Sistema do Tratado da Antártica.

O plano de trabalho está sendo discutido paralelamente pelos membros do Grupo de Gestão durante a XLII TCM/CEP XXII. As principais tarefas incluem a revisão geral do conteúdo do atual Plano de Manejo e sua comparação com os regulamentos do Tratado da Antártica aplicáveis; a avaliação do status da ASPA 128, HSM 51 e outras áreas sob proteção especial; e a identificação de problemas que precisem ser abordados no novo plano de manejo.

Além disso, prevê o contato com pesquisadores, operadores de estações e outras partes interessadas (IAATO, CCAMLR, ASOC) para obter informações científicas, técnicas e outras informações relevantes; a consolidação das informações obtidas relacionadas a valores especiais (valores estéticos, ambientais, científicos, históricos, educacionais e turísticos), a atualização de material bibliográfico, a revisão de listas de espécies e status das populações da fauna e flora; a preparação de um novo Plano de Manejo, Códigos de Conduta e Mapas; e a preparação de relatórios de progresso com o andamento do trabalho para as próximas reuniões do CEP, até a apresentação da versão final da atualização do Plano de Manejo da ASMA 1.

Ascom MMA
(61) 2028-1227
Ler 754 vezes Última modificação emQuinta, 22 Agosto 2019 18:46
Fim do conteúdo da página