Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

MMA negocia empréstimo de US$ 500 mi com banco do Brics

Recursos deverão ser repassados a prefeituras para obras de saneamento, tratamento de resíduos e energias renováveis, conforme a agenda nacional de qualidade ambiental urbana do MMA

Publicado: Quinta, 15 Agosto 2019 20:17 Última modificação: Sexta, 16 Agosto 2019 11:51
Crédito: Ascom/MMA Salles preside encontro com ministros de meio ambiente do Brics em São Paulo Salles preside encontro com ministros de meio ambiente do Brics em São Paulo

Brasília – O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, reuniu-se nesta quinta-feira (15), em São Paulo, com ministros do meio ambiente do Brics, grupo de países emergentes formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Entre os temas, foi discutida a elaboração de um livro de referências de todas as tecnologias disponíveis nos países do Brics com análise de custo-benefício para atender às questões de saneamento e resíduos sólidos.

Os recursos para que essas tecnologias sejam implantadas deverão vir de organismos financeiros multilaterais como o Banco do Brics (NDB, na sigla em inglês).

O Ministério  do Meio Ambiente já iniciou negociações com o NDB para o aporte de US$ 500 milhões, que deve ocorrer no começo do próximo ano. A ideia é que o fundo atenda, preferencialmente, prefeituras, para obras de saneamento básico, ações de tratamento de resíduos que visem ao fim dos lixões e projetos de energias renováveis.

 “O trabalho agora é estudar a melhor forma de implementação imediata do recurso, se será o repasse a consórcios de municípios, municípios individualmente ou montagens de estruturas de destinação do lixo feitas pelo governo federal em parcerias com os municípios”, afirmou Salles.

No final do encontro, o ministro fez um balanço positivo das tratativas e disse que houve total convergência entre os ministros acerca da agenda de qualidade ambiental urbana, como tratamento sanitário, de esgoto, gestão de lixo, qualidade do ar, preservação e uso sustentável da biodiversidade.

Ascom MMA
(61) 2028-1227

Fim do conteúdo da página