O que é o CONAMA
    Quem é quem                   (+)
    Resoluções e outros atos
    Legislação ambiental
    Procedimentos e Formulários
    Reuniões plenárias
    CIPAM
    Câmaras técnicas e GTs
    Câmara Especial Recursal
    Processos                        (+)
    Calendário de reuniões
    Eventos especiais
    CNEA
    Como navegar no sítio
   
    Responsável pelo conteúdo: conama@mma.gov.br

Boletins quinzenais

 
 
Produção de energia renovável enfrenta impasse na Europa

Empresários reclamam da decisão da Comissão Europeia de impor ameta de 27%de geração de energia limpa para o bloco todo e não para cada país
 
Os produtores de energia eólica e solar disseram que estão sob risco de perder investimentos depois que a Comissão Europeia (CE), o braço executivo da União Europeia (UE) descartou propostas para estabelecer uma meta obrigatória para uso de energias renováveisem2030. A CE disse que o bloco de 28 países deveria obter 27% de sua energia de fontes renováveis até 2030, acima dos 20 % do final dessa década. Ao contrário da meta atual, a nova meta não será dividida em objetivos nacionais. “É muito fraca”, disse Jacopo Moccia, diretor de relações políticas da Associação Europeia de Energia Eólica. “Foi uma jogada de comunicação, mais que uma meta real. Como determinamos que a UE atingiu sua meta se não há obrigações para os estados membros? É difícil de imaginar que a UE levará a si mesma ao tribunal e multará a si própria”. A UE está trabalhando duramente para encontrar uma maneira de reduzir os poluentes responsáveis pelo Aquecimento Global, enquanto mantém um limite sobre as contas de energia elétrica, que às vezes têm o dobro dos níveis dos EUA. Empresas como Vestas WindSystems, Alstom, Gamesa e Acciona fizeram lobby para assegurar metas para as energias renováveis, enquanto o Reino Unido liderou um esforço contra elas para permitir mais espaço para captura de carvão e energia nuclear. A proposta da CE inicia o debate entre os países-membros a respeito da política energética para 2030. Ela também prevê uma redução de 40 por cento nas Emissões de dióxido de carbono até lá, dobrando a meta atual de reduzir em 20 por cento até 2020. Os chefes de governos da UE deverão discutir o programa em Bruxelas, em março. Alemanha, França, Espanha, Grã-Bretanha e Itália tentaram reduzir os subsídios à energia renovável depois que um boom em instalações se traduziu em uma energia mais cara para os consumidores. O investimento em energia renovável na Europa caiu 41% no ano passado, para US$ 57,8 bilhões, segundo dados compilados pela Bloomberg. “É um retrocesso e isso irá desacelerar o que eu considero que é cada vez mais inevitável: a possível supremacia das energias renováveis”, disse Jeremy Leggett, presidente da instaladora Solar Century Holdings Ltd., com sede em Londres, por telefone. Bloomberg News

Veículo: Brasil Econômico
Data: 27/01/2014
Tema: Aquecimento Global
 


Voltar