O que é o CONAMA
    Quem é quem                   (+)
    Resoluções e outros atos
    Legislação ambiental
    Procedimentos e Formulários
    Reuniões plenárias
    CIPAM
    Câmaras técnicas e GTs
    Câmara Especial Recursal
    Processos                        (+)
    Calendário de reuniões
    Eventos especiais
    CNEA
    Como navegar no sítio
   
    Responsável pelo conteúdo: conama@mma.gov.br

Boletins quinzenais

 
 
Agronegócio está na mira dos fabricantes de drones

Equipamento vendido a R$ 50 mil pode ser usado no combate a pragas em lavoura e controle de crimes ambientais
 
-BRASÍLIA -O primeiro alvo dos pequenos veículos aéreos não tripulados (conhecidos como drone ou vant) no Brasil é o caminho da roça. As empresas que fabricam esses veículos querem vendê-los para grandes agricultores que utilizam aviões no combate de pragas na lavoura, por exemplo. Os aviõezinhos têm tecnologia para mapear áreas onde a lavoura não vingou ou jogar Agrotóxicos apenas em trechos atingidos por pragas. Nas grandes cidades, os empresários negociam com os estados, principalmente com as polícias, para facilitar e baratear o trabalho de vigilância e resgate. Um helicóptero custa cerca de US$ 30 milhões e a hora do voo sai por R$ 3,5 mil. Já o vant poderá ser comprado por cerca de R$ 50 mil com um custo de R$ 100 por hora de voo. Um veículo não tripulado poderia fazer buscas de desaparecidos — que geralmente são suspensas à noite — durante toda a madrugada. Pessoas perdidas na mata, por exemplo, seriam localizadas e poderiam receber um aparelho celular ou até um kit de primeiros socorros. Especialistas afirmam que outra atividade que poderia ser beneficiada é o controle de Desmatamento, além da repressão a crimes ambientais.

Veículo:Jornal o Globo
Data: 26/01/2014
Tema: Crime Ambiental


Voltar