O que é o CONAMA
    Quem é quem                   (+)
    Resoluções e outros atos
    Legislação ambiental
    Procedimentos e Formulários
    Reuniões plenárias
    CIPAM
    Câmaras técnicas e GTs
    Câmara Especial Recursal
    Processos                        (+)
    Calendário de reuniões
    Eventos especiais
    CNEA
    Como navegar no sítio
   
    Responsável pelo conteúdo: conama@mma.gov.br

Boletins quinzenais

 
 
Países começam a debater novo acordo climático
 
Conferência do clima da ONU pretende esboçar pacto sobre emissões de CO2. Missão da COP-19, que acontece na Polônia, é preparar o terreno para o texto que substituirá o Protocolo de Kyoto

Como fazer para que países ricos e pobres, democracias e ditaduras, nações beneficiadas e pessoas prejudicadas pelo Aquecimento Global cheguem a um consenso sobre um novo pacto climático mundial?

A COP-19 (19ª conferência do Clima da ONU), que começa hoje em Varsóvia, começa a tentar desatar esse nó, abrindo diálogos e dando os primeiros passos no debate de pontos polêmicos antes da decisão final sobre o acordo, que acontecerá em Paris daqui a dois anos e deve substituir o Protocolo de Kyoto.

Analistas consideram que uma das razões para o fracasso de um acordo abrangente na COP-15, que ocorreu cercada de expectativas e recheada de chefes de Estado em 2009 na Dinamarca, foi o fato de países e negociadores terem deixado as decisões para a última hora.

Diplomatas dizem que vão trabalhar dobrado para não deixar que isso se repita.

O fiasco de Copenhague fez com que o mundo ficasse órfão de metas abrangentes para limitar a emissão de gases-estufa. Em 2012, em Doha, houve uma tímida prorrogação do Protocolo de Kyoto, que não foi ratificado pelos EUA e não tem metas obrigatórias para a China, os dois maiores poluidores.

O acordo definitivo foi empurrado para 2015, com metas que começarão a valer a partir de 2020.

Enquanto isso, as Emissões globais batem novos recordes todos os anos.

"Nós sabemos que a conferência não deve ser transformadora. A COP de Varsóvia é uma reunião intermediária, mas isso não significa que ela não seja importante, diz o embaixador Everton Lucero, chefe da divisão de Clima, Ozônio e Segurança Química do Itamaraty.

"As discussões de Varsóvia têm de permitir que nós cheguemos a Paris [para a COP de 2015] com condições de adotarmos um acordo ambicioso e justo, respeitando responsabilidades comuns."

POLÊMICAS

Em uma conferência virtual com jornalistas da área ambiental, o diretor-executivo do Pnuma (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), Achim Steiner, disse estar confiante nos bons resultados da cúpula.

Segundo ele, uma boa parte dos países, inclusive os ricos, estão fazendo sua parte para contribuir.

Outros assuntos, sobretudo os que envolvem financiamento, devem esquentar o encontro na fria capital polonesa. O Fundo Verde do Clima, criado para financiar medidas de mitigação e adaptação as Mudanças Climáticas nos países pobres, precisa ter regras mais claras. Especialmente sobre formas de financiamento e uso das verbas.

O chamado REDD+, compensação financeira pela conservação florestal, é uma das esperanças de acordo concreto. Reconhecido na COP de 2010, ele ainda precisa de regras claras para sua implementação. No ano passado, o Brasil foi acusado de travar o avanço dos diálogos por não concordar com o modelo de verificação internacional proposto.

A vertiginosa queda dos preços dos créditos de carbono é um fator que deve dificultar as negociações, uma vez que limita as projeções de lucros de muitas das ações ambientais.

FOLHA DE S.PAULO
11/11/2013
AQUECIMENTO GLOBAL

Voltar