O que é o CONAMA
    Quem é quem                   (+)
    Resoluções e outros atos
    Legislação ambiental
    Procedimentos e Formulários
    Reuniões plenárias
    CIPAM
    Câmaras técnicas e GTs
    Câmara Especial Recursal
    Processos                        (+)
    Calendário de reuniões
    Eventos especiais
    CNEA
    Como navegar no sítio
   
    Responsável pelo conteúdo: conama@mma.gov.br

Boletins quinzenais

 
 
Fauna e flora online

Brasil e Colômbia firmam parceria técnica para melhorar sistemas nacionais de monitoramento de biodiversidade.

O Brasil é o país com a maior variedade de seres vivos do planeta, abrigando 13% da Biodiversidade global. Conhecer melhor estas espécies, porém, ainda é um desafio para pesquisadores. Desde abril do ano passado, o trabalho conta com a ajuda do Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr), que pretende se consolidar como um banco de dados online capaz de reunir informações nacionais e estrangeiras. A partir de agora, um convênio firmado entre o SiBBr e seu similar da Colômbia vai permitir a troca de informações entre ambos os países. O intercâmbio técnico, assinado em maio, vai se estender até abril de 2014, quando será firmado um plano de trabalho conjunto até 2016. Criado em 2000, o Sistema de Informação sobre Biodiversidade da Colômbia (SIB Colômbia) conta com a participação de mais de cem instituições, entre elas a Universidade Nacional da Colômbia. A parceria foi possível graças ao projeto de cooperação promovido pela Plataforma Global de Informação da Biodiversidade (GBIF, na sigla em inglês), que interliga sistemas de informação de diversos países. Além de teleconferências, estão previstos workshops no SIB Colômbia, em Bogotá, e no Laboratório Nacional de Computação Científica, em Petrópolis, onde funciona o SiBBr. O órgão brasileiro é mantido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) com apoio do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e do Fundo Mundial para o Meio Ambiente. “Os dois países megadiversos apresentam características culturais e institucionais semelhantes, compartilham Biomas e problemas associados à conservação da Biodiversidade, além de equipes com perfis técnicos complementares”, diz, em nota, Mercedes Bustamante, diretora do Departamento de Políticas e Programas Temáticos do MCTI.

JORNAL O GLOBO
2013-06-04
BIODIVERSIDADE


Voltar