Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > InforMMA > Notícias > Cerrado em estado de alerta
Início do conteúdo da página

Cerrado em estado de alerta

Paulo de Araújo/MMA O bioma enfrenta a sua maior ameaça: o homem O bioma enfrenta a sua maior ameaça: o homem
Setembro será dedicado à savana mais rica do planeta, que se encontra em grave processo de degradação

Luciene de Assis

O mês de setembro será todo dedicado à exaltação do cerrado brasileiro, a savana mais rica do planeta. A abertura oficial das comemorações acontece neste sábado (01/09), às 15h, com exposição de fotografias do bioma no Espaço Casa do Visitante do Jardim Botânico de Brasília, parceiro do Ministério do Meio Ambiente na organização deste evento.

De 12 a 16 de setembro acontece o Encontro dos Povos do Cerrado, no Memorial dos Povos Indígenas, em Brasília, com palestras, exposições e apresentação de filmes e vídeos. O objetivo desses eventos é mobilizar a sociedade e os povos do cerrado para o estímulo de ações voltadas à conservação e ao uso sustentável dos recursos naturais do bioma. É com esta visão que se realizará o VII Encontro e Feira dos Povos do Cerrado.

CONSCIENTIZAÇÃO

A previsão dos organizadores é que o evento reúna cerca de mil representantes de comunidades e organizações da sociedade civil dos 14 estados abrangidos pelo cerrado. O evento terá uma extensa programação com palestras, mesas redondas, oficinas, audiência pública e outras atividades sobre temas relativos à conservação do bioma e à defesa de seus povos, além da feira de produtos sustentáveis desse bioma e de uma intensa programação cultural.

“O objetivo desse evento é divulgar para a sociedade civil as ações governamentais do Ministério do Meio Ambiente para o bioma cerrado, como o Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento, a Política Nacional sobre Mudança do Clima e o Fundo Amazônia”, explica a analista ambiental do Departamento de Políticas de Combate ao Desmatamento (DPCD/MMA), Larissa Malty.

NA ESPLANADA

Será realizada uma passeata pela Esplanada dos Ministérios, o Grito do Cerrado, que visa alertar a sociedade para o crescente processo de degradação do bioma e ameaça a seus povos, bem como chamar atenção para a urgência de se adotar ações voltadas à sua conservação e uso sustentável. Está prevista a realização de uma audiência pública no Congresso Nacional, que deverá ocorrer logo após a Corrida de Toras entre as etnias indígenas, também na Esplanada.

Na quinta-feira (13/09), o secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental (SMCQ) do Ministério do Meio Ambiente, Carlos Klink, fará palestra sobre Fundo Amazônia, que pode destinar 20% dos seus recursos para ações de monitoramento do desmatamento em outros biomas e países.

No dia seguinte, haverá debates sobre o Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento do Cerrado (PPCerrado); apresentação dos Projetos de Cooperação Internacional do Brasil com Alemanha e Reino Unido, pelo diretor do Departamento de Políticas de Combate ao Desmatamento (DPCD/MMA), Francisco Oliveira; e palestra sobre os recursos hídricos no Cerrado, feita pelo secretário de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano (SRHU), Pedro Wilson.

FRAGILIDADE E FORÇA

No sábado (15/09), além da troca de sementes, ocorrerá uma apresentação do Programa de Prevenção e Combate a Queimadas no Cerrado (Prevfogo), por representante do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Durante a semana de atividades está prevista, ainda, exibição de vídeos do Circuito Tela Verde, material audiovisual destinado à educação ambiental, organizado pelo Departamento de Educação Ambiental do MMA.

Haverá, também, a exposição fotográfica sobre o cerrado, montada numa Geodésica (estrutura feita de madeira na parte externa do Memorial dos Povos Indígenas) feita especialmente para abrigar as 20 fotos do bioma de autoria dos repórteres fotográficos Paulo de Araújo e Martim Garcia, da Assessoria de Comunicação do MMA, semelhante à exposição a ser aberta à visitação no Jardim Botânico de Brasília neste sábado. Mostram um breve passeio pela beleza singela e pujante do cerrado. São 20 instantâneos que retratam um bioma em transformação, revelando um pouco da sua fragilidade e da sua força. É uma coletânea de imagens reunidas ao acaso, despretensiosa, simples, básica, mas representativa.

Curiosidade sobre o Cerrado

  • Possui clima tropical sazonal, com duas estações bem definidas – uma seca e outra chuvosa
  • Detém 5% da biodiversidade do planeta
  • É a savana mais rica do mundo
  • É a maior região de savana tropical da América do Sul
  • É o segundo bioma brasileiro em extensão
  • Ocupa 24% do território brasileiro
  • Compõe 100% da área do Distrito Federal e 97% de Goiás
  • Abriga 11 tipos distintos de vegetação
  • São 12.356 espécies de plantas herbáceas, arbóreas, arbustivas e cipós
  • A flora vascular nativa compõe um catálogo com 11.627 espécies
  • A fauna é extremamente rica, somando 320 mil espécies de animais na região
  • Cerca de 90 mil espécies de insetos povoam o bioma
  • Possui 181 áreas protegidas
  • Das 12 regiões hidrográficas brasileiras, metade tem nascente no bioma
  • Responde por mais de 70% da vazão gerada nas bacias hidrográficas do Araguaia/Tocantins, do São Francisco e do Paraná/Paraguai
  • Há 12 mil anos o cerrado recebeu seus primeiros habitantes
  • Foi colonizado pelos portugueses no século XVI

Ameaças ao Cerrado

  • É um dos biomas brasileiros mais ameaçados
  • Já perdeu quase metade de sua cobertura vegetal original
  • Todo ano são desmatados mais de 14 mil km2 de área
  • Queimadas e incêndios florestais têm relação direta com o desmatamento
  • 132 espécies da flora estão ameaçadas de extinção
  • A degradação da vegetação remanescente ameaça a qualidade dos recursos hídricos
  • Dados recentes mostram que já foram desmatados um total de 975,7 mil km2, quase metade da área total do bioma
  • Mato Grosso é o estado que mais desmatou, somando quase 359 mil km2
  • O município campeão em desmatamento é Formosa do Rio Preto, na Bahia, com 16.186 km2
Fim do conteúdo da página