Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Comunicação > Notícias - InforMMA
Início do conteúdo da página
 
Quinta, 12 Maio 2016 15:00

Governo cria cinco UCs na Amazônia

Arquivo MMA

As novas unidades de conservação ficam no sul do Amazonas. Também foi ampliada uma floresta nacional já existente na região.


LUCAS TOLENTINO

A Floresta Amazônica brasileira contará com mais 2,83 milhões de hectares em regime de conservação. Foram criados nesta quinta-feira (12/05) o Parque Nacional do Acari, as Florestas Nacionais do Aripuanã e de Urupadi e a Área de Proteção Ambiental e a Reserva Biológica Manicoré. Também foi ampliada a Floresta Nacional Amana. Todas elas ficam no Amazonas e, juntas, ocupam área maior do que estado de Alagoas.

As unidades de conservação foram estabelecidas a partir de estudos financiados pelo Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa). Situadas ao sul do Amazonas, na bacia do Rio Madeira, as áreas têm enfrentado pressões e, agora, passarão a permitir o incremento da economia local baseado no manejo florestal sustentável. Parte delas também possibilitará o desenvolvimento do ecoturismo em razão das belezas naturais.

Com a maior área entre as novas unidades criadas, o Parque Nacional do Acari garantirá a proteção integral de 896 mil hectares de Floresta Amazônica. O objetivo é preservar o ecossistema, contribuir para a estabilidade ambiental e desenvolver atividades de recreação e educação em contato com a natureza local. A área registra a presença de espécies ameaçadas de extinção e tem fauna silvestre abundante, com mais de 150 espécies de mamíferos e mais de 600 de aves.

RIQUEZA BIOLÓGICA

Os estudos revelam que a região da Flona do Aripuanã apresenta extrema riqueza biológica e um consequente potencial científico. Nos últimos 10 anos, foram descobertas pelo menos três espécies de primatas e duas de aves. Além do desenvolvimento de pesquisas, a criação da Floresta Nacional garantirá a permanência de povos tradicionais, a manutenção dos recursos hídricos e da biodiversidade e o manejo sustentável.

Na mesma região, ao norte da BR-230, a Flona do Urupadi promoverá o uso sustentável dos recursos naturais. A criação da Floresta Nacional proporcionará maior segurança para a Estação Ecológica Alto Maués e contribuirá para a conservação de primatas que vivem na área. Esse conjunto de unidades de conservação das redondezas incrementará, ainda, a economia de base florestal na região.

AMPLIAÇÃO

Já existente, a Flona do Amana teve o acréscimo de 141 mil hectares. A ampliação permitirá a manutenção e proteção dos recursos hídricos e da biodiversidade aliado ao manejo sustentável dos recursos madeireiros e não-madeireiros da região. Assim, será assegurada a conectividade dos ecossistema locais já que essa é uma área isolada em meio a um conjunto de unidades de conservação já existentes, o que representava um potencial foco de pressão.

Complementares, a Área de Proteção Ambiental (APA) Campos de Manicoré e a Reserva Biológica (Rebio) Manicoré protegerão a diversidade biológica da região. O ecossistema local é considerado frágil e não estava representado em qualquer unidade de conservação federal. Na APA, será disciplinado o processo de ocupação em acordo com a conservação ambiental. Já a Rebio possibilitar a proteção de parte dos rios Manicoré, Manicorezinho, Jatuarana e seus afluentes.

 

FICHA TÉCNICA

Confira os dados de cada unidade de conservação criada:

PARQUE NACIONAL DO ACARI
Municípios: Apuí, Novo Aripuanã e Borba
Área: 896 mil hectares
 
FLONA DO ARIPUANÃ
Municípios: Apuí, Manicoré e Novo Aripuanã
Área: 751 mil hectares
 
FLONA DO URUPADI
Município: Maués
Área: 537 mil hectares
 
REBIO MANICORÉ
Municípios: Manicoré e Novo Aripuanã
Área: 359 mil hectares
 
APA CAMPOS DE MANICORÉ
Município: Manicoré (AM)
Área: 152 mil hectares
 
FLONA DO AMANA
Município: Maués (AM)
Acréscimo: 141 mil hectares
 

Confira a publicação no Diário Oficial da União:

Edição Extra - N. 89-A

Edição Ordinária - N. 90

 

Edição: Alethea Muniz

Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA): (61) 2028-1221



Fim do conteúdo da página