Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
In√≠cio do conte√ļdo da p√°gina

PROJETO SALAS VERDES


                

logo transparente00

 

 



Imagem2 - CURSO SALAS VERDES


                 >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>       INSCRI√á√ēES PRORROGADAS      <<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<



APRESENTAÇÃO

O Departamento de Educa√ß√£o Ambiental do Minist√©rio do Meio Ambiente convida todas as Salas Verdes a realizarem o curso Fundamentos e Pr√°ticas de Educa√ß√£o Ambiental para espa√ßos educadores, desenvolvido com o objetivo de oferecer subs√≠dios e instrumentos para a atua√ß√£o dos educadores ambientais, de forma a contribuir com o fortalecimento dos espa√ßos educadores no processo de implementa√ß√£o das pol√≠ticas p√ļblicas de Educa√ß√£o Ambiental no pa√≠s.

Atendendo a uma demanda antiga das Salas Verdes, esse processo formativo busca oferecer aos coordenadores e membros da equipe das Salas Verdes, a oportunidade de refletir e aprimorar a sua prática educativa, fortalecendo a atuação da Sala Verde enquanto espaço educador.

Al√©m do aspecto formativo, o DEA promover√° ao longo do curso um f√≥rum permanente de debate sobre o Projeto Salas Verdes, que permitir√° a todos os atores do Projeto contribu√≠rem com o aprimoramento de aspectos estruturantes como a articula√ß√£o, a troca de conhecimento e informa√ß√Ķes entre as institui√ß√Ķes e a divulga√ß√£o das a√ß√Ķes realizadas pela rede de salas verdes.

O curso Fundamentos e Pr√°ticas de Educa√ß√£o Ambiental para espa√ßos educadores integra as a√ß√Ķes do Projeto Salas Verdes e ser√° oferecido, nessa primeira edi√ß√£o, exclusivamente para as equipes pedag√≥gicas das Salas Verdes. Essa iniciativa enseja reunir todo os educadores do Projeto Salas Verdes em um processo de forma√ß√£o, de di√°logo e troca de experi√™ncias fundamental para avan√ßarmos na implementa√ß√£o de a√ß√Ķes integradas e no fortalecimento do Projeto Salas Verdes.

CONTE√öDO DO CURSO

Os temas do curso foram propostos a partir da pesquisa realizada em 2014 com as Salas Verdes, com base nos desafios apontados em rela√ß√£o √†s quest√Ķes t√©cnicas, pedag√≥gicas e organizacionais. O conte√ļdo est√° organizado em quatro m√≥dulos:
M√≥dulo 1 -  Introdu√ß√£o e Fundamentos de Educa√ß√£o Ambiental;
M√≥dulo 2-  Planejamento e fortalecimento do espa√ßo educador;
M√≥dulo 3-  Fundamentos para a pr√°tica pedag√≥gica e m√©todos pedag√≥gicos; e
Módulo 4 -Práticas de Educação Ambiental: cardápio de atividades pedagógicas.

O curso faz parte do projeto de coopera√ß√£o t√©cnica firmado entre o MMA e o Instituto Interamericano de Coopera√ß√£o para a Agricultura (IICA), que permitiu a contrata√ß√£o de consultorias que auxiliaram a equipe do Minist√©rio na elabora√ß√£o dos conte√ļdos e na sua transposi√ß√£o para o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA).



REALIZAÇÃO

REALIZAÇÃO DO CURSO

O curso ser√° realizado de forma online pelo site do Ambiente Virtual de Aprendizagem ‚Äď AVA (ava.mma.gov.br), a plataforma de educa√ß√£o a dist√Ęncia do Minist√©rio do Meio Ambiente.

O curso ser√° oferecido exclusivamente para os coordenadores e equipes pedag√≥gicas das institui√ß√Ķes que integram o Projeto Salas Verdes, incluindo gestores e servidores p√ļblicos, representantes de organiza√ß√Ķes da sociedade civil, de acordo com a natureza da institui√ß√£o.

O curso terá carga horária de 60 horas e será realizado de dezembro/16 a março/17 (período: 12/12/2016 a 12/03/2017).

INSCRIÇÃO

Com o objetivo de contribuir com a formação de toda a equipe pedagógica, cada Sala Verde poderá indicar até 10 pessoas para realizarem o Curso "Fundamentos e Práticas de Educação Ambiental para Espaços Educadores".

Al√©m dos membros da equipe t√©cnica, a Sala Verde tamb√©m poder√° indicar educadores que atuam em institui√ß√Ķes parceiras. Essas indica√ß√Ķes de institui√ß√Ķes parceiras far√£o parte de uma lista de espera e poder√£o participar do curso, de acordo com n√ļmero de vagas dispon√≠veis.

ATEN√á√ÉO>>>As inscri√ß√Ķes foram prorrogadas para at√© 06 de dezembro de 2016 e ser√£o realizadas por meio do preenchimento de dois formul√°rios enviados por email a todos os Coordenadores das Salas Verdes. O "formul√°rio de inscri√ß√£o de usu√°rio no curso" deve ser preenchido para cada aluno indicado pela Sala Verde.



RESUMO

Curso: "Fundamentos e Práticas de Educação Ambiental para espaços educadores"

Objetivo: Oferecer subs√≠dios e instrumentos para a atua√ß√£o dos educadores ambientais, de forma a contribuir com o fortalecimento dos espa√ßos educadores no processo de implementa√ß√£o das pol√≠ticas p√ļblicas de Educa√ß√£o Ambiental no pa√≠s.

P√ļblico-alvo: Coordenadores e equipes das Salas Verdes.

Carga hor√°ria: 60 horas

Site: http://ava.mma.gov.br/


CRONOGRAMA


INSCRI√á√ēES PRORROGADAS: AT√Č 06 DE DEZEMBRO DE 2016

IN√ćCIO DO CURSO: 12 DE DEZEMBRO DE 2016

ENCERRAMENTO: 12 DE MARÇO DE 2016

 

CONTATOS

MAIORES INFORMA√á√ēES:
Email: O endere√ßo de e-mail address est√° sendo protegido de spambots. Voc√™ precisa ativar o JavaScript enabled para v√™-lo.

Telefones: (61) 2028-1569 / (61) 2028-1570 / (61) 2028-3269 / (61) 2028-1328


 


1. O PROJETO

O Projeto Sala Verde, coordenado pelo Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente (DEA/MMA) consiste no incentivo à implantação de espaços socioambientais para atuarem como potenciais Centros de informação e Formação ambiental. A dimensão básica de qualquer Sala Verde é a disponibilização e democratização da informação ambiental e a busca por maximizar as possibilidades dos materiais distribuídos, colaborando para a construção de um espaço, que além do acesso à informação, ofereça a possibilidade de reflexão e construção do pensamento/ação ambiental.

Sala Verde √© um espa√ßo definido, vinculado a uma institui√ß√£o p√ļblica ou privada, que poder√° se dedicar a projetos, a√ß√Ķes e programas educacionais voltados √† quest√£o ambiental. Deve cumprir um papel dinamizador, numa perspectiva articuladora e integradora, viabilizando iniciativas que propiciem uma efetiva participa√ß√£o dos diversos segmentos da sociedade na gest√£o ambiental, seguindo uma pauta de atua√ß√£o permeada por a√ß√Ķes educacionais, que caminhem em dire√ß√£o √† sustentabilidade.

O Projeto Salas Verdes possui atualmente 357 salas espalhadas por todo o pa√≠s. As institui√ß√Ķes participantes do projeto est√£o distribu√≠das em quase todos estados e no Distrito Federal. Est√£o localizadas, em sua maioria, em prefeituras municipais, secretarias de meio ambiente, secretarias de educa√ß√£o, institutos federais e universidades, mas tamb√©m em conselhos gestores de Unidades de Conserva√ß√£o (UCs) e organiza√ß√Ķes n√£o governamentais.

A regi√£o Sudeste possui o maior n√ļmero de Salas Verdes no pa√≠s, com o total de 129. Na regi√£o Sul s√£o 88 Salas cadastradas e no Nordeste s√£o 81 unidades. A regi√£o Centro-Oeste possui 34 Salas Verdes e a Regi√£o Norte 25 espa√ßos. Para conhecer melhor onde se localizam as Salas Verdes, acesse a se√ß√£o Salas Verdes no Brasil.

A participação no Projeto Salas Verdes é realizada por meio de Editais lançados pelo Departamento de Educação Ambiental. No momento, não há previsão de lançamento de um novo Edital mas a Instituição pode fazer o cadastro na seção Novas Salas Verdes para que seja informada quando houver uma nova chamada.

1.1. Concepção

O Projeto Sala Verde foi inicialmente concebido com foco consider√°vel no car√°ter biblioteca verde que estes espa√ßos poderiam assumir, e a partir do desenvolvimento e da evolu√ß√£o do Projeto passou-se a visualizar as Salas Verdes como espa√ßos com m√ļltiplas potencialidades, que al√©m da disponibiliza√ß√£o e democratiza√ß√£o do acesso √†s informa√ß√Ķes, podem desenvolver atividades diversas de Educa√ß√£o Ambiental como: cursos, palestras, oficinas, eventos, encontros, reuni√Ķes, campanhas.

O Departamento de Educação Ambiental (DEA) parte da compreensão de que a Sala Verde deve cumprir um papel de dinamizadora de espaços/iniciativas já existentes, numa perspectiva articuladora e integradora. A Sala Verde pode e deve estabelecer parcerias locais e regionais, com autonomia e iniciativa própria, contando com a possibilidade de apoio institucional.

Cada Sala Verde √© √ļnica, n√£o h√° um padr√£o pr√©-definido ou um formato modelo para ela. Cada institui√ß√£o deve configur√°-la √† sua maneira, levando em considera√ß√£o a identidade institucional e o p√ļblico com quem trabalha, dialogando as potencialidades com as particularidades locais e regionais e, tamb√©m deve buscar orientar as a√ß√Ķes, atrav√©s de um processo constante e continuado de constru√ß√£o, implementa√ß√£o, avalia√ß√£o e revis√£o de seu Projeto Pol√≠tico Pedag√≥gico.

Entendemos que o Projeto Pol√≠tico Pedag√≥gico (PPP) √© o que explicita os porqu√™s da Sala Verde; os comos, o quando, o onde, o quanto, al√©m de outras quest√Ķes de cunho pol√≠tico e pedag√≥gico.


1.2. Histórico

O Minist√©rio do Meio Ambiente por meio do Centro de Informa√ß√£o e Documenta√ß√£o (CID Ambiental) passou a incentivar a implanta√ß√£o de Salas Verdes no ano 2000. Esta foi uma estrat√©gia de encaminhar as demandas que estavam surgindo referentes a um apoio maior do Minist√©rio do Meio Ambiente para al√©m da mera distribui√ß√£o de livros e materiais ambientais. No per√≠odo anterior ao ano 2000, o que vinha ocorrendo √© que todos os p√ļblicos que acessavam e visitavam as depend√™ncias do CID Ambiental solicitavam materiais, publica√ß√Ķes e informa√ß√Ķes para que eles pr√≥prios pudessem levar a seus munic√≠pios, e por conta pr√≥pria disponibiliz√°-los √† popula√ß√£o interessada no tema. Este processo, entendido como sendo o embri√£o do Projeto Sala Verde demonstrou-se num primeiro momento positivo, por avan√ßar na dire√ß√£o na dissemina√ß√£o de informa√ß√Ķes e materiais produzidos e/ou disponibilizados pelo Minist√©rio do Meio Ambiente, mas num segundo momento deparou-se em algumas dificuldades:


- Falta de garantia de que aqueles materiais e informa√ß√Ķes estivessem sendo efetivamente disponibilizados √† popula√ß√£o do munic√≠pio/regi√£o em quest√£o;

- Car√™ncia de informa√ß√Ķes complementares posteriormente √† retirada do material por parte destes t√©cnicos e gestores;

- A disponibiliza√ß√£o de materiais ficava restrita a pessoas e institui√ß√Ķes que acessavam diretamente ao CID Ambiental, requerendo no m√≠nimo uma visita (presencial) a Bras√≠lia, caracter√≠stica esta que se tornava um fator excludente √† maioria dos munic√≠pios e organiza√ß√Ķes, especialmente aqueles considerados menores;

- Criava-se uma relação muito mais entre CID/MMA e as pessoas que retiravam os materiais do que a nível inter-institucional;

- Carência de estratégias de monitoramento e avaliação da utilização destes materiais nos municípios envolvidos.

Embora com estas dificuldades, o Projeto Sala Verde avan√ßou consideravelmente no est√≠mulo a implanta√ß√£o de Salas Verdes pelo pa√≠s, especialmente no per√≠odo compreendido entre os anos de 2000 a 2004 (neste √ļltimo at√© o primeiro semestre). Nesta fase o processo de implanta√ß√£o de Salas Verdes baseou-se no modelo de Atendimento a Demandas Espont√Ęneas, seguindo a estrat√©gia descrita acima, alcan√ßando resultados satisfat√≥rios.

A partir de 2004 o projeto passou a ser reformulado, sofrendo algumas altera√ß√Ķes:

- sua coordenação passou a ser feita pelo Departamento de Educação Ambiental, junto ao qual ficou vinculado o CID Ambiental;

- todas as estratégias e linhas de ação do Projeto foram rediscutidas, em virtude dos problemas identificados e em função do novo ordenamento político, pessoal (técnico) e orçamentário.

A fase atual do Projeto Sala Verde foi implementada a partir do segundo semestre de 2004, atrav√©s da realiza√ß√£o de algumas a√ß√Ķes:

- formulação e lançamento do Edital 01/2004, como um novo mecanismo de incentivo a implantação de Salas Verdes pelo país (Este Edital foi denominado como sendo Manual Orientador 01/2004 e passou a configurar-se como uma estratégia de indução de Salas Verdes, sendo lançada com periodicidade variável);

- mapeamento e diagnóstico de todas as Salas Verdes implantadas no período pré 2004;

- di√°logo e est√≠mulo ao estabelecimento de parcerias, como uma nova estrat√©gia de implanta√ß√£o de Salas Verdes pelo pa√≠s; dentre outras a√ß√Ķes.

Nos anos de 2004 e 2005, os Manuais do Processo Seletivo mantiveram suas caracter√≠sticas estruturantes, mas foram orientados de acordo com as demandas, com a necessidade de integra√ß√£o com outras a√ß√Ķes e projetos do DEA e do MMA. Outro aspecto que orientou a elabora√ß√£o dos manuais foi a busca de equipara√ß√£o da representatividade do projeto nas regi√Ķes, com vistas a priorizar as regi√Ķes Norte, Nordeste e Centro-Oeste (Manual 01/2004) e estimular a presen√ßa da a√ß√£o em todos os Estados do pa√≠s (Manual 01/2005).

As metas de desenvolvimento da a√ß√£o avan√ßaram e culminaram na descentraliza√ß√£o do processo de sele√ß√£o com o lan√ßamento do Manual do Processo Seletivo 01/2006. Foram institu√≠das 17 c√Ęmaras t√©cnicas tempor√°rias de an√°lise que receberam propostas de seu Estado para an√°lise e orienta√ß√£o do processo de sele√ß√£o e de ajuste de propostas.

Atualmente, as Salas Verdes representam um potencial de capilaridade e de integra√ß√£o de pol√≠ticas p√ļblicas,que pode ser representado pela pluralidade de suas propostas, pela diversidade do p√ļblico atendido e pelos v√°rios tipos de institui√ß√Ķes que aportam Salas Verdes.
 


ARQUIVOS:

Fim do conte√ļdo da p√°gina