Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Clima > Proteção da Camada de Ozônio > Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs
Início do conteúdo da página

Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs

Em setembro de 2007, as Partes do Protocolo de Montreal decidiram por meio da Decisão XIX/6, antecipar os prazos de eliminação dos HCFCs, comprometendo-se a cumprir um novo cronograma de eliminação. No caso dos países em desenvolvimento, o que inclui o Brasil, os prazos de eliminação ficaram definidos conforme tabela abaixo:

 

Cronograma de eliminação do consumo de HCFCs – Países em Desenvolvimento

Etapa 1

2013

Congelamento do consumo dos HCFCs (Linha de Base1)

2015

Redução de 10,0% do consumo de HCFCs sobre a LB

Etapa 2

2020

Redução de 35,0% do consumo de HCFCs sobre a LB

2025

Redução de 67,5% do consumo de HCFCs sobre a LB

2030

Redução de 97,5% do consumo de HCFCs sobre a LB2

2040

Eliminação do consumo de HCFCs

1 Linha de Base (LB) correspondente à média do consumo de HCFCs para os anos de 2009 e 2010.
2 Consumo residual de 2,5% somente para o setor de serviço de refrigeração.

O cronograma de eliminação dos HCFCs foi dividido em duas etapas, sendo que a primeira corresponde ao período entre 2013 a 2015 e a segunda corresponde ao período entre 2016 a 2040.

A redução do consumo de HCFCs afetará diversos setores, dentre eles o de refrigeração e ar condicionado e o de espuma de poliuretano.


Etapa 1 do PBH

Em 2009, o Seminário Nacional "Governo e Sociedade a caminho da eliminação dos HCFCs" marcou o início da elaboração do Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs – PBH, documento que apresenta o diagnóstico do consumo e define as diretrizes e ações a serem executadas no Brasil para a eliminação dos HCFCs até 2040.

A elaboração do PBH foi coordenada pelo Governo Brasileiro, entre os anos de 2009 e 2011, e contou com a participação de entidades representativas dos setores privado e governamental e das agências implementadoras PNUD e Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH.

Todas as etapas de elaboração foram discutidas com o Comitê Executivo Interministerial para a Proteção da Camada de Ozônio (PROZON), criado pelo Decreto 06 de março de 2003, e com o grupo de trabalho GT
– HCFCs, criado pelas Portarias MMA nº. 41, nº. 75 e nº 319/2010.

O PBH foi aprovado na 64ª Reunião do Comitê Executivo do Fundo Multilateral para a Implementação do Protocolo de Montreal (FML), ocorrida entre os dias 25 a 29 de julho de 2011, com recursos de US$ 19.597.166,00. Os recursos serão utilizados na implementação da primeira etapa do PBH, que compõe as ações previstas até 2015, com congelamento do consumo em 2013 e redução deste consumo em 16,6% até 2015. Como regra do FML, os recursos somente são disponibilizados para o País por meio de agências implementadoras e neste caso o Brasil optou por continuar trabalhando com o PNUD e a Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH.

A Tabela abaixo apresenta a estratégia de redução do consumo de HCFCs aprovado pelo Comitê executivo do Fundo Multilateral para a Implementação do Protocolo de Montreal visando a redução do consumo de HCFC-22 e HCFC-141b.

Estratégia de Redução do Consumo de HCFCs – Fase 1 do PBH

 

  SETOR

APLICAÇÃO

Quantidade (toneladas métricas)

Quantidade (toneladas PDO*)

HCFC-141b

Manufatura PU

Painéis Contínuos

294,1

32,4

Pele Integral/Flexível Moldada

789,21

86,8

PU Rígido

450,91

49,6

Sub-total

1.534,22

168,8

HCFC-22

Ações Regulatórias

Refrigeração e Ar Condicionado

26,7

1,5

Serviços

Refrigeração e Ar Condicionado

909,09

50

Sub-total

935,79

51,5

TOTAL

2.470,01

220,3

*PDO = Potencial de Destruição do Ozônio

   

A estratégia brasileira para eliminação dos HCFCs na Etapa 1 do PBH apresenta os seguintes objetivos:

  • Desenvolvimento de ações regulatórias que contribuam para a redução do consumo de HCFCs;
  • Execução de projetos de conversão tecnológicas em empresas de capital nacional para a eliminação do consumo de HCFC-141b na fabricação de espumas de poliuretano;
  • Execução de projetos de contenção de vazamentos de HCFC-22 no setor de serviço de refrigeração, por meio de treinamentos, divulgação de informações e de projetos demonstrativos.


Com a aprovação do PBH, o Brasil se comprometeu em eliminar o consumo de 220,3 toneladas de Potencial de Destruição do Ozônio (PDO), sendo 168,8 toneladas de HCFC-141b e 51,5 toneladas de HCFC-22, o que equivale a 1.534,10 toneladas métricas e aproximadamente 4,9 milhões de toneladas de CO2 equivalente de emissões evitadas até o ano de 2015.

Instrução Normativa nº 14 do Ibama que regula as cotas de HCFCs até 2015

Eliminação do HCFC-141b


O projeto contempla a conversão tecnológica de empresas do setor de espumas de poliuretano (painéis contínuos, espumas flexíveis e moldadas, pele integral, aquecedores de água, recipientes térmicos, revestimento de canos e embalagens), que utilizam o HCFC-141b como agente expansor. Até 2015 está prevista a conversão tecnológica de aproximadamente 400 empresas do setor de espuma para tecnologias livres de PDO e com baixo potencial de aquecimento global, a partir da execução de 32 projetos.
Estas ações são coordenadas pelo Ministério do Meio Ambiente e implementadas pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD.


Eliminação do HCFC-22


As ações no setor de serviço para contenção de vazamento de HCFC-22 visam aplicar boas práticas durante o reparo, a manutenção, instalação e operação de equipamentos de refrigeração comercial e doméstica. Está prevista a realização das seguintes atividades:

  • Treinamento de 4.800 técnicos de refrigeração para boas práticas na operação e manutenção de instalações de refrigeração e ar condicionado em supermercados;
  • Treinamento de 100 técnicos de refrigeração para boas práticas na instalação e manutenção de ar-condicionado do tipo Split;
  • Realização de 5 projetos de estudo de caso para demonstrar procedimentos e ações para redução dos vazamentos de HCFC-22;
  • Implantação de sistema de informação e armazenamento de dados online para usuários interessados.

Estas ações são coordenadas pelo Ministério do Meio Ambiente e implementadas pela agência bilateral alemã Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH.

Grupo de Trabalho GT-HCFCs

Documentação


Etapa 2 do PBH

Na Etapa 2 serão desenvolvidas ações para a eliminação do consumo de HCFC-22 na manufatura de equipamentos novos de refrigeração e ar-condicionado e no restante do setor de serviços. Nesta etapa, também está prevista a eliminação do consumo de HCFC-141b no setor de espumas rígidas, para as aplicações não contempladas na primeira etapa.

Fim do conteúdo da página