Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Biomas > Monitoramento Ambiental
Início do conteúdo da página

Monitoramento Ambiental dos Biomas Brasileiros

O monitoramento da cobertura florestal é uma ferramenta indispensável aos países que adotam políticas públicas para a conservação e preservação de suas florestas.

Desde 1988, a cobertura florestal na Amazônia brasileira vem sendo monitorada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), órgão vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação - MCTI. O Projeto de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite (Prodes) foi o primeiro sistema a ser implantado e foi responsável pela produção da série histórica da taxa de desmatamento na Amazônia Legal. A qualidade dos dados apresentados pelo PRODES possibilitou a elaboração de um nível de referência de emissões de gases de efeito estufa pelo setor florestal brasileiro o que possibilitou a captação de recursos financeiros por desmatamento evitado no âmbito da UNFCCC.

O monitoramento ambiental nos demais biomas começou a ser realizado por meio de  projetos , tendo sido iniciado nício em 2002, com o levantamento da cobertura vegetal e uso do solo nos biomas pelo Projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira – Probio I.  Em 2008, o Ministério do Meio Ambiente - MMA e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA firmaram acordo de cooperação, para a realização do Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite - PMDBBS, que contou com o apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD. Este programa teve como objetivo o monitoramento sistemático da cobertura vegetal dos biomas Cerrado, Caatinga, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal, a fim de quantificar desmatamentos de áreas com vegetação nativa, para embasar ações e políticas de prevenção e controle de desmatamentos ilegais nestes biomas, além de subsidiar políticas públicas de conservação da biodiversidade e de mitigação da mudança do clima. O projeto teve como referência os Mapas de Cobertura Vegetal dos Biomas Brasileiros, produzidos pelo Probio/MMA e atualizou os dados de desmatamento para o período de 2002-2008 e 2008-2009. Para os biomas Cerrado, Caatinga e Pampa, também foram produzidos os dados de desmatamento para os anos de 2009-2010 e 2010-2011. Neste momento, estão sendo finalizados os dados dos anos de 2009-2010 e 2010-2011 para o Pantanal e de 2009-2010 para a Mata Atlântica, no âmbito do projeto PMDBBS.

Entendendo a importância do monitoramento sistemático da cobertura florestal para as ações de combate e prevenção do desmatamento, o Ministério do Meio Ambiente Instituiu o Programa de Monitoramento Ambiental dos Biomas Brasileiros - PMABB, por meio da Portaria nº 365, de 27 de novembro de 2015.

O PMABB tem o objetivo de mapear e monitorar o desmatamento, avaliar a cobertura vegetal e o uso/cobertura da terra e sua dinâmica, as queimadas, a extração seletiva de madeira e a recuperação da vegetação. Em uma esfera mais ampla, tais informações subsidiarão as tomadas de decisão em ações para promoção da conservação da biodiversidade brasileira, e, também, para propiciar uma visão estratégica para uma gestão territorial que conjugue os diversos interesses sobre o uso da terra e permita o desenvolvimento do País em bases sustentáveis. Possui caráter permanente e está estruturado em 3 fases: a primeira, visa consolidar o monitoramento da Amazônia e a implementação e consolidação do monitoramento do Cerrado. Na segunda fase (2017 e 2018) ocorrerá a implementação e consolidação do monitoramento da Mata Atlântica, e na terceira fase (2017-2018) será realizada a implementação e consolidação do monitoramento para a Caatinga, Pampa e Pantanal.

Todos os produtos dos projetos de monitoramento do PMDBBS estão disponibilizados nesta página.

PMABB  PMABBS2  PMABBS2


Os produtos do monitoramento da Amazônia e os do Cerrado (exceto os do PMDBBS) estão na página http://combateaodesmatamento.mma.gov.br
Fim do conteúdo da página