Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

SP - Eldorado 048-MA


Imagem

Projeto PDA 048-MA
Projeto de Conservação, Recuperação e Uso Sustentável do Palmiteiro Juçara nas Comunidades Quilombolas do Vale do Ribeira

 
 



Mutirão para repovoamento do

palmiteiro juçara no quilombo Galvão.

Eldorado (SP) 2006.

Felipe Leal/ISA
Ficha-Resumo

 

Instituto Socioambiental - ISA
Avenida Higienópolis, 901. Higienópolis
São Paulo/SP
CEP: 01.238-001
TELEFONE:(11)3660-7949
FAX: (11) 3660-7941
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo."> O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

http://www.socioambiental.org

 

Mais informações sobre o projeto

podem ser obtidas com a leitura

do poster "Semeando

Sustentabilidade - A Juçara

e as comunidades quilombolas

no Vale do Ribeira", que pode

ser baixado gratuitamente

neste endereço:

www.socioambiental.org/loja/detalhe_download.html?id_prd=10357

 

 

         A juçara (Euterpe edulis Martius) é uma palmeira nativa do Domínio da Mata Atlântica do Brasil. O potencial ecológico da espécie, com intensa interação com a fauna, indica que o palmiteiro é uma espécie estratégica para a manutenção da dinâmica dos ecossistemas, bem como para a retomada da dinâmica em áreas de formação secundária, geralmente degradadas pelo extrativismo.
          A abundância da espécie no Vale do Ribeira, a grande demanda pelo produto pelos centros urbanos próximos à região e a facilidade inicial de exploração e processamento, ofereceu suporte para a exploração ilegal e predatória do palmiteiro na região. A gravidade problema fez com que a Secretaria Estadual de Meio Ambiente de São Paulo colocasse palmiteiro na lista oficial das espécies da flora do Estado de São Paulo ameaçadas de extinção. A falta de alternativas econômicas para as comunidades quilombolas do Vale do Ribeira, que guardam privilegiada relação - tanto geográfica como cultural com a floresta, levam suas populações a se sujeitarem ainda mais à atividade clandestina do palmito. Além dos aspectos ambientais, a exploração clandestina do palmito é uma situação que gera vários conflitos, envolvendo a população quilombola, extratores, Unidades de Conservação e o aparato oficial de fiscalização, implicando em roubos, violência e corrupção, num contexto onde as populações quilombolas arcam com o ônus da marginalidade e de processos de ordem administrativa, criminal e penal. A questão do palmito se configura, dessa forma, como um dos principais problemas socioambientais nas comunidades quilombolas do Vale do Ribeira.
           Por outro lado, a coleta do fruto da juçara, e o manejo sustentável das populações de palmeira para extração do palmito, são atividades que apresentam potencial de geração de renda, não obstante, até agora, este potencial não tenha sido aproveitado, sobretudo devido a entraves legais (na vertente ambiental e sanitária) e à incipiente estruturação das respectivas cadeias produtivas.


        O Projeto PDA 048-MA “Conservação, Recuperação e Uso Sustentável do Palmiteiro Juçara nas Comunidades Quilombolas do Vale do Ribeira” possibilitou avanços significativos em todas as áreas acima mencionadas, nas vertentes sociais, econômicas e ambientais. Os principais resultados do projeto foram:
33 famílias quilombolas de sete comunidades venderam, em três anos, 15 toneladas de sementes, por R$ 3,00 o quilo, para os repovoamentos.
Realização de 43 repovoamentos, envolvendo em média de 10 pessoas por repovoamento e cobrindo uma área de aproximadamente 582 ha, em 12 comunidades (André Lopes, Bombas, Galvão, Ivaporunduva, Mandira, Morro Seco, Nhunguara, Pedro Cubas, Pedro Cubas de Cima, Porto Velho, Sapatu e São Pedro).
Apoio na constituição e funcionamento da Rede Juçara, que envolve mais de 10 instituições, em quatro estados (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro) e cujo objetivo é somar esforços rumo ao manejo sustentável e ao uso múltiplo da palmeira juçara.
Reforma de dois viveiros (Nhunguara de Cima e Ivaporunduva) e construção de mais quatro (Abobral, André Lopes, Cangume, Nhunguara de baixo), em cinco comunidades quilombolas, para produção de mudas de juçara, e de outras espécies nativas.
Produção e distribuição de 15 mil mudas de juçara e de outras espécies nativas para os quintais das famílias quilombolas de 12 comunidades.
Coleta de sementes e produção de 20 mil mudas de espécies nativas da Mata Atlântica para plantio no Rio Pedro Cubas.
Recomendações de Pagamento por Serviços Ambientais aos territórios quilombolas no Plano de Bacia, do Comitê de Bacia.
Abertura do diálogo sobre o manejo de palmito e o corte clandestino, apresentando novas perspectivas para lidar com a questão.
Difusão da idéia do uso múltiplo da juçara, especialmente, o aproveitamento do fruto para produção de polpa.
Satisfação, por parte dos participantes, na medida em que está sendo devolvido para a mata o que durante muitos anos foi só tirado.
Participação no Grupo de Trabalho da Fundação Florestal para elaboração da Resolução SMA-16 para manejo da polpa da juçara..

 

                                              

Fim do conteúdo da página